• Flora Quinhones

Blattes dialoga sobre principais problemas dos trabalhadores do comércio

Na manhã desta quinta-feira, dia 14, a conversa foi sobre a estrutura ofertada para quem trabalha no comércio da cidade. O vereador Ricardo Blattes realizou uma visita ao presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Santa Maria (SEC-SM), Rogério dos Reis para apresentar o mandato e dialogar sobre as demandas da classe trabalhadora.

Conversa com o presidente do SEC-SM, Rogério dos Reis

Rogério apontou uma profunda preocupação com as propostas que estão sendo transmitidas pelos governantes, relacionadas a ampliação do horário do comércio. De acordo com o presidente, a cidade não tem estrutura para comportar uma demanda como esta, uma vez que não existem horários de ônibus estendidos e segurança suficiente. “A gente pensa nos trabalhadores. Como fica a mulher trabalhadora? O homem trabalhador? Ou o pessoal que está ali dentro, mas também está na faculdade de noite”, colocou Rogério.


Ele ainda citou experiências de decretos que ocorreram anteriormente, nos quais encerravam horários de ônibus à noite na Av. Fernando Ferrari e os trabalhadores precisavam caminhar até o paredão, para pegar ônibus, ou o decreto que permitia lojas abertas na Black Friday até as 22h e não previa horário estendido de transporte público. “Não é só fazer o decreto, tem que pensar o que atinge o decreto. Tem gente que precisa ir pra casa!”, defendeu o presidente.


Além disso, existe uma preocupação eminente com o desenvolvimento econômico do comércio, já que implementar um projeto que estenda o horário de atividades, pode favorecer apenas grandes redes. “Esse tipo de projeto mexe no horário e mexe na tributação. É aquela liberdade que pode tudo e não tem regra. E o pequeno não consegue acompanhar. E o que mais entrega em Santa Maria é os pequenos”, relata Rogério. Na prática, isso significa que para funcionar em horário estendido, a empresa precisa ter condições de manter mais empregados que cubram um terceiro turno.


Blattes, por sua vez, indagou a vontade de buscar soluções para o transporte público da cidade. “A gente precisa reunir esse povo dos sindicatos, conselhos e comunidade para discutir o assunto, não é possível que em plenas vésperas do vencimento do contrato, o conselho do transporte não esteja se reunindo”, coloca o vereador, aproveitando a oportunidade, para fazer o convite de participação do sindicato e também deixando o mandato aberto para o diálogo.