• Flora Quinhones

Cinema árabe em Santa Maria

Uma chance de mostrar a sociedade, as raízes árabes. Na noite desta sexta-feira, dia 10, ocorreu na CESMA em uma sessão de cinema árabe. O documentário “A Palestina Brasileira”, escrito e dirigido por Omar L. Barros Filho foi exibido para a comunidade de Santa Maria e uma rodada de conversa com o autor aconteceu na sequência.


O evento promovido pelo mandato faz parte da programação de solidariedade ao povo palestino e teve como convidados, a vice-diretora da Federação Árabe Palestina (FEPAL), Fátima Ahmad Ali Sawalla, e Ricardo Zamora, representando o Deputado Estadual Luiz Fernando Mainardi.


"Foi um prazer receber a comunidade Palestina e prestar essa homenagem. O documentário produzido por Omar mostra a necessidades de falarmos sobre o assunto e evidenciamos a importância desse povo. O mandato é mais um apoiador desse movimento de luta e resistência. Espero que a comunidade se sinta acolhida e conte sempre com este vereador" afirma Blattes.


Em apresentação, Omar contou sobre os bastidores do documenário. "O propósto da Palestina Brasileira é descobrir se vivenciaram no Brasil algum tipo de choque cultural, os valores que hoje seguem, e se ocorreram ou não rupturas com suas antigas práticas culturais tradicionais. A sessão especial de ontem, em Santa Maria, permitiu o exame de todas essas questões. Foi uma projeção inesquecível! Sou grato a todos que a tornaram esse encontro possível. Espero retornar a Santa Maria para que essa vivência possa se repetir" afirma o Diretor.


Ja Fatima Ali, expressou gratidão pela disposição dos mandatos do Deputado Luiz Fernando Mainardi e Ricardo Blattes estarem ajudando na divulgação do documentário.

Sobre o filme

"Marcado pela diversidade étnica e cultural, o Rio Grande do Sul abriga hoje milhares de imigrantes palestinos e seus descendentes. Com cenas filmadas no sul do Brasil e no Oriente Médio, o documentário "A Palestina Brasileira" revela as raízes, o grau de integração, a sensação de pertencimento de seis famílias alcançadas pelos preconceitos, perseguições e guerras. Questiona sua atual condição, e mostra como homens, mulheres e jovens se situam frente aos seus direitos e aos valores éticos e religiosos de sua cultura tradicional. São narrativas do vivido, que resgatam lugares perdidos e histórias que ficaram para trás. São memórias compartilhadas, cartas, fotografias e recordações que revivem o passado e o quanto dele ainda resta no presente.