• Flora Quinhones

Debate sobre Rede de Atenção Psicossocial no Município

A Comissão de Saúde e Meio Ambiente promoveu, no final da tarde desta quarta-feira (06), audiência pública para tratar da Rede de Atenção Psicossocial no Município. A realização da atividade foi solicitada pelo vereador Ricardo Blattes à comissão por entender a necessidade de um debate mais ampliado sobre a temática, envolvendo profissionais de saúde e representantes do Poder Executivo. Os vereadores Manoel Badke, Danclar Rossato e Werner Rempel participaram da audiência. Também compareceram integrantes de conselhos, do Executivo Municipal e de entidades representativas.


Após a abertura da audiência, coordenada pelo proponente, foi concedido o período de até quatro minutos para manifestação dos presentes. A íntegra dos pronunciamentos pode ser conferida no You Tube (TV Câmara Santa Maria).


Tatiana Dimov, terapeuta ocupacional e professora do departamento de Terapia Ocupacional da UFSM, falou sobre a necessidade da ampliação da rede de cuidados, observando que Santa Maria carece de residencial terapêutico e já poderia contar dois Centros de Atenção Psicossocial III (Caps III). Essa modalidade compreende atendimento noturno e observação de pessoas com transtornos mentais graves e persistentes. "Quando o usuário fica internado em serviço onde tem vínculo, a internação dura menos tempo”, observou Tatiana.


Nathalia Almeida, psicóloga e coordenadora do Caps Cia do Recomeço, compartilhou as angústias de quem está no atendimento direto dos usuários. “Nós estamos investindo nas parcerias, projetos e pessoas que acreditam no nosso trabalho. Saúde mental se constrói com pequenas ações que lá na frente vão gerar resultados”, comentou.


Alex Monaiar, psicólogo do Caps Prado Veppo e integrante do Conselho Municipal de Saúde, destacou a necessidade de completar as equipes mínimas dos profissionais do CAPS, bem como a implementação do Caps III e de residenciais terapêuticos.


José Francisco Silva afirmou que o Pronto-Atendimento do Patronato não é o local adequado para atendimento de pessoas após tentarem o suicídio. Segundo ele, algumas pessoas nessa situação e também dependentes químicos ficam alojadas nos corredores do P.A.


Claudia Mello, coordenadora de saúde mental do município, informou que, na sexta-feira, tem reunião com o governo do Estado para tratar da garantia dos repasses financeiros do Estado ao Caps de Santa Maria.


Ana Paula Seerig, adjunta da Secretaria Municipal de Saúde, registrou que é preciso avançar na efetivação de políticas de saúde mental, mas há limitações da ordem orçamentária. Afirmou que o município está analisando os imóveis necessários para residencial terapêutico e também para o Caps III.


O vereador Ricardo Blattes, embora não faça parte da Comissão de Saúde, presidiu reunião.

"Essa audiência pública é resultado de uma mobilização a partir de uma audiência pública feita acerca desse tema, sem consultar os profissionais de saúde e sem considerar o executivo. Então é bem importante essa mobilização popular dos trabalhadores e trabalhadoras da área da saúde", manifestou Ricardo.

Ele também destacou a questão orçamentária. "Esse ano está sob a minha responsabilidade, a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei do Orçamento Anual. E a política pública, ela não se faz com discurso, ela se faz com recurso. O momento correto de se empenhar e de fazer transformar uma política pública, é no debate do orçamento. E lamentavelmente o que acontece é na hora que a gente precisa da mobilização pra tratar do orçamento, é muito complicado. Então faço esse apelo par que se envolvam nas discussões" Documentos com sugestões sobre o tema tratado na audiência pública podem ser encaminhados para o e-mail da Comissão de Saúde: cmsma@camara-sm.rs.gov.br Texto: Clarissa Lovatto e assessoria vereador Blattes Confira audiência complet: https://www.youtube.com/watch?v=J4XK6fW7G7c