• Flora Quinhones

Faixa nova de Camobi ganhará nome de importante representatividade feminina


Entre os caminhos da cidade, quantas mulheres nomeiam as ruas, avenidas, bairros e vilas de Santa Maria? Poucas. Não fossem as Santas Flora, Catarina, Maria e Nossas Senhoras Medianeira, Lourdes, Fátima, Rosário, o número seria ainda menor. Por isso, no mês da mulher, neste dia 8 de março, o vereador Ricardo Blattes apresentou uma moção de apoio ao projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa para que a Faixa Nova de Camobi ganhe o nome de Maria Zaira De Grandi.


Dentre as atribuições dos parlamentares está a de denominar ruas, avenidas e logradouros públicos. Embora muitas vezes hostilizada ou até mesmo ridicularizada, faz parte de um conjunto de ações necessárias. Dessa forma, a moção é uma proposição de apoio ao projeto do Deputado Luiz Fernando Mainardi (PT) e que também será destinada ao Presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Valdeci Oliveira, garantindo a sua tramitação.


A denominação da via pública tem o objetivo de situar a localização, mas também, nesse caso, a intenção de ressaltar a importância de intitular espaços e vias públicas com o nome de mulheres, para que seus nomes também estejam presentes em uma sociedade que busca verdadeiramente ser paritária.


O machismo estrutural está presente na história, inclusive na denominação de espaços públicos, visto que majoritariamente são de homens e poucas menções são feitas à mulheres. Desse modo, é cada vez mais importante a denominação de espaços e vias públicas com o nome de mulheres, para que seus nomes também estejam presentes em uma sociedade que busca verdadeiramente ser paritária.


Maria Zaira Silveira foi uma importante representante do cenário gaúcho e santa-mariense que ajudou na construção da nossa sociedade. Era advogada e no início da década de 1980 juntamente com o seu marido, jornalista Luizinho De Grandi, adquiriu o Jornal A Razão, tendo mais tarde integrado o Grupo dos Diários Associados de Assis Chateaubriand.


Em tribuna, Blattes destacou: Ela é uma das mulheres mais importantes dos últimos 100 anos em Santa Maria. Ainda são tantas que não foram homenageadas e que merecem ser homenageadas . A nossa cidade, tal qual como o nosso país, se constrói com a força das mulheres e isso também tem que ser refletido na nomenclatura dos locais públicos.


O trecho escolhido para homenagear Zaira trata-se de uma das principais vias de acesso ao Bairro Camobi e à Universidade Federal de Santa Maria. O RSC-287 é compreendido entre o trevo do Aeroporto Municipal de Santa Maria e o seu viaduto de entroncamento com a BR-158. O trecho da RSC-287 referido neste projeto era outrora denominado BR-287, vez que tinha sua administração pelo Governo Federal, sendo recentemente repassado para o Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Dessa forma, o trecho objeto deste projeto não está contemplado pela Lei Ordinária 11.432/2000 que denominou trechos distintos de distintas rodovias, incluindo trechos da própria RSC-287, como “Rota do Sol Euclides Triches”. Portanto, este trecho da RSC-287 encontra-se sem denominação oficial, visto que antes era BR-287.

HISTÓRICO DE MARIA ZAIRA DE GRANDI


Maria Zaira Silveira de Grandi, nasceu em Santa Maria, filha de Pedro Fernandes Silveira, vereador entre as décadas de 60 e 80, e de Mercedes Fernandes Silveira e, quando criança, morou na localidade de Água Boa, em Arroio do Só.


Zaira era advogada, formada pela Universidade Federal de Santa Maria, mãe de três filhos: Alexandre, Antonela e Renata de Grandi. Era irmã de Ceura Fernandes Silveira, Guiomar Fernandes da Silveira e de Élvio Fernandes da Silveira, já falecido.


No início da década de 1980 surgiu a Empresa Jornalística De Grandi, quando juntamente com o seu marido, jornalista Luizinho de Grandi, adquiriu o Jornal A Razão, que fora fundado em 1934 pelo jornalista Clarimundo Flores, tendo mais tarde integrado o Grupo dos Diários Associados de Assis Chateaubriand.


O Jornal A Razão foi um jornal regional com sede na cidade de Santa Maria, sendo um dos mais tradicionais veículos de comunicação do interior do estado, com sua circulação atingindo mais de 40 municípios da região central e fronteira oeste do Estado do Rio Grande do Sul, além da capital, Porto Alegre.


Com o falecimento violento precoce de seu marido ainda na década de 1980, Maria Zaira de Grandi assumiu sozinha a criação de seus três filhos e assumiu o comando da Empresa Jornalística De Grandi, tornando o jornal A Razão em principais instrumentos de defesa dos interesses da região central do estado do Rio Grande do Sul, com uma linha editorial voltada aos interesses da comunidade. Já no ano de 2001, sob a administração de Maria Zaira De Grandi, foi adquirida a Sociedade Rádio Santamariense, que passou a fazer parte do grupo de comunicação.


Maria Zaira De Grandi faleceu no dia 16 de agosto de 2014 aos 68 anos, depois de longa luta contra o câncer.


Dessa forma, com o objetivo de dar visibilidade para uma das mulheres mais importantes que Santa Maria no período recente, dando seu nome à uma das principais vias urbanas daquele município, este projeto é apresentado.